Make your own free website on Tripod.com

PUBLICIDADE:

d'artagnan juris

Ano III - Nº 28 janeiro 2002.

MACEIÓ-ALagoas 
BRASIL

doutrina:

diversos:

ANUNCIE

DOUTRINA

E-BOOKS

ENViar TEXTO

LINKS

OPINIÃO

PARCEIROS

POEMAS

PRÊMIOS

RÁDIO 

RECOMENDE

UT. PÚBLICA

refletir

.::CONTATO::.

Clique na figura abaixo e fale conosco.

.::NOTÍCIAS::.

.::CADASTRO::.

Clique aqui para receber os nossos boletins mensais. CADASTRE-SE!

ENQUETES

Você gostou do novo visual deste Site?
Sim
Não
Votar
resultado parcial...

Você apóia a guerra que os EUA querem promover?
Não
Sim
Não sei
Votar
resultado parcial...

 

 

<< VOLTAR

.:: IMPRIMIR ::.

.:: AJUDA ::.

POEMAS - VISÃO POÉTICA DA TRISTE ESTÓRIA DO APENADO JOSÉ - (CVM)

  .:: ESCREVA PARA A AUTORA ::.

Contador de visitas

José foi condenado.
Seu destino: a casa de detenção.
Já nos primeiros dias descobriu uma triste realidade:
Que o cárcere é uma escola, 
escola para a marginalização.

José que conhecia apenas o revólver,
Descobriu que tudo pode ser uma arma,
- depende da situação;
E que no submundo carcerário,
Quem faz a lei é o ladrão.

Descobriu também que sem qualquer ato,
Pode-se "puxar" mais anos de prisão;
Pois em troca da própria vida,
Cria-se uma confissão.
E de um crime que José nem sabia,
Nem viu a consumação...

Antagônica realidade a de José.
Prejudicado na lide judicial,
(José agora é reincidente)
Mas, favorecido na sociedade artificial.
- Agora ele é da gente!
Dizem os cabeças da organização.

E José que teria iniciado sua pena,
Sob o fundamento do duplo objetivo:
Castigo e ressocialização,
descobriu que lá se aprende,
é viver mais tempo dentro da prisão.

José nunca foi homem de muitos planos;
E até mesmo dizia, que um dia abandonaria
essa vida de "roubação";
Que tinham razão os doutores:
"O crime não compensa não."

- A gente vive roubando, e quando nos pegam,
perdemos o respeito e a própria consolação;
O dinheiro acaba ligeiro e os sonhos são trancafiados
Junto as grades da prisão.

José sabe que vai passar mais sete anos,
Isso com os benefícios da progressão;
Mas desconhece o seu futuro,
Pois seu receio, é quando tiver que encarar de frente,
A sociedade e os reflexos da estigmatização.

José se preocupa com seu egresso
Pois desde que vem puxando cadeia
Só viu os muros e a segurança aumentarem 
Como repressões à fuga e a rebelião.

E com isso vão distanciando, 
A tão almejada ressocialização;
Pois esquecem que os atos devem ser primados em favor do 
apenado
E não da instalação.

José soube que com a LEP,
Apresentaram uma grande inovação;
Instituíram a assistência ao egresso, 
Com apoio e orientação para reintegrá-lo à liberdade;
E ainda se necessário, alojamento e alimentação.

Mas como a letra é fria, é morta,
Precisa que não só o governo, mas toda a sociedade, 
A coloque em ação.
Pois o artigo 78 prevê o "patronato",
Que poderá ser integrado por membros
De qualquer entidade, grupo ou religião.

Então José faz uma apelo, para toda população;
Para que todos se preocupem com os egressos,
em favor da própria segurança,
Pois o Brasil está cheio
De quem voltou a ser ladrão,
Por falta de oportunidade 
e excesso de discriminação.

E ainda arrisca uma dica, 
que vai além dos cursos de profissionalização:
que para as empresas que admitam ex-detentos 
seja oferecido um incentivo
nos tributos com o leão.

Cláudia Vieira Maciel
Acadêmica de Direito em Ji-Paraná -RO