Make your own free website on Tripod.com

PUBLICIDADE:

d'artagnan juris

Ano III - Nº 28 janeiro 2002.

MACEIÓ-ALagoas 
BRASIL

doutrina:

diversos:

ANUNCIE

DOUTRINA

E-BOOKS

ENViar TEXTO

LINKS

OPINIÃO

PARCEIROS

POEMAS

PRÊMIOS

RÁDIO 

RECOMENDE

UT. PÚBLICA

refletir

.::CONTATO::.

Clique na figura abaixo e fale conosco.

.::NOTÍCIAS::.

 

.::CADASTRO::.

Clique aqui para receber os nossos boletins mensais. CADASTRE-SE!

ENQUETES

Você gostou do novo visual deste Site?
Sim
Não
Votar
resultado parcial...

Você apóia a guerra que os EUA querem promover?
Não
Sim
Não sei
Votar
resultado parcial...

<< VOLTAR

.:: IMPRIMIR ::.

.:: AJUDA ::.

POEMAS - Dor de quem ama (ASC)

Contador de visitas

Que distância inespugnável
A que faz da amada uma estranha,
De cujos olhos não se encontra ternura,
Mas uma frieza que de si não se acanha.

Impensável encontrar o reflexo da indiferença,
Em olhos que antes externavam apenas amor.
Se é ruim perder-se na ausência da alma de quem se ama,
O mais grave é ser causa de sua dor.

Ah, como sói doer o fato de amar,
Quando sofre quem se ama de verdade.
A dor condoída é infinitamente presente,
Pois é sentir que se sente por vontade.

E o coração de quem ama dolorido,
Faz-se dor pela dor da pessoa amada.
É um viver em si mesmo a dor alheia,
Por si mesma muitas vezes multiplicada.

Mas a dor de quem ama ri de si mesma,
Por que não ama quem dor não sente.
Se amar sem dor viesse de ser possível,
Seria pouco menos que um sentimento indolente.

Adriano Soares da Costa 18.06.2000.