Make your own free website on Tripod.com

PUBLICIDADE:

d'artagnan juris

Ano III - Nº 28 janeiro 2002.

MACEIÓ-ALagoas 
BRASIL

doutrina:

diversos:

ANUNCIE

DOUTRINA

E-BOOKS

ENViar TEXTO

LINKS

OPINIÃO

PARCEIROS

POEMAS

PRÊMIOS

RÁDIO 

RECOMENDE

UT. PÚBLICA

refletir

.::CONTATO::.

Clique na figura abaixo e fale conosco.

.::NOTÍCIAS::.

 

.::CADASTRO::.

Clique aqui para receber os nossos boletins mensais. CADASTRE-SE!

ENQUETES

Você gostou do novo visual deste Site?
Sim
Não
Votar
resultado parcial...

Você apóia a guerra que os EUA querem promover?
Não
Sim
Não sei
Votar
resultado parcial...

<< VOLTAR

.:: IMPRIMIR ::.

.:: AJUDA ::.

OPINIÃO - D'Artagnan Juris - (JFG)

Contador de visitas

NOSSA SAÚDE NÃO PODE MORRER

Autor:JOILSON FERNANDES DE GOUVEIA

 

4 PÁGINA - INFORMATIVO DA CAIXA

Há meses atrás, vivíamos o histórico, inédito e gigantesco fato no campo da assistência médico-hospitalar à família policial militar, grande, sofrida e desunida. Naquela oportunidade, parecia-nos, de fato, que a Corporação havia amadurecido, crescido e tomado consciência do todo, que o PM voltara-se para o seu tesouro maior: SUA SAÚDE E DA SUA FAMÍLIA.

Todavia, lamentavelmente, os fatos demonstram o contrário. Não obstante, o passo grandioso dado, alguns companheiros - Se é que podemos assim chamá-los - passaram a "bombardear" a CBPMAL/UNIMED, através de atos manifestamente subversivos à ordem e à índole do verdadeiro PM, com atitudes desprezíveis, e porque não dizer criminosas, mediante injúrias, calúnias, difamações, etc.

Usou-se e abusou-se do direito a assistência médico-hospitalar (CBPMAL/UNIMED). No início, alguns companheiros tentaram afastar-se dos quadros sociais. A posteriori, ainda insatisfeitos, desencadearam um tremendo abuso do usufruto das prerrogativas de seus direitos como sócios; e mais, ainda, prevalecendo-se da condição de autoridade PM, armados evidentemente, agredindo ostensiva e deliberadamente às funcionárias, atendentes, enfermeiras e médicos do complexo assistencial acima citado.

Entretanto, mais lastimável e inadmissível é que todos esses fatos foram comunicados aos órgãos, OPM, UOP e SUBUOP, e nenhuma providência fora tomada, nada fora feito no campo da conscientização moral na tentativa de coibir a violência ameaçadora de tais fatos. É o que se depreende diante do atual quadro! Pois, fomos surpreendidos com a "Extinção do plano Unimed/Empresa da CBPMAL", vez que aquela diretoria já não mais suporta ‘Nadar’ contra a correnteza da maldade, da inveja, da malícia e da iniquidade desses companheiros".

Exige-se, pois, uma reflexão! reflitamos e meditemos: como, onde e quando teremos tal assistência médica, se extinguir o atual plano Unimed/empresa? Prá onde levar sua família enferma e carente de Socorro Médico imediato e mediato? Para o HPS?!? E depois, onde interná-la e assisti-la?

Destarte, pensando tão somente em você PM consciente, abnegado, digno, sacrificado e voltado para o interesse maior da Corporação, que é o bem-estar de todos e a seguridade de sua família, é que conclamamos e concitamos a todos para nos engajarmos na luta de preservação e manutenção do espaço e da meta alcançadas com o plano citado. Desistir agora é involuir, retrogradar

Não podemos, pois, sob hipótese alguma abandonar o barco enquanto não tivermos outro que nos conduza a tal assistência. Assim, companheiros, sejamos responsáveis e severos na fiscalização contra aqueles que, com propósitos sórdidos, maliciosos e enganosos, tentam enlamear a conduta dos que fazem a CBPMAL, e, em particular do seu presidente.

Atentemos, pois, está em jogo o meu, o seu, o nosso nome, vossa dignidade e o nome da PMAL, quando um mau PM difama ou tenta denegrir a imagem da Corporação, como se tentou até agora, sim, pois, tais atos extrapolam a individualidade e personalidade do PM, para refletir o todo da PMAL; ou seja, não se noticia, por exemplo: "O PM ZANORIR agrediu atendente da clínica..." Noticia-se: "Policial militar agride fulano..." Ou então: "PM mata atendente..." E, desse modo, parcela de culpa recairá naquele que nada tem com o fato delituoso cometido por nosso companheiro. Pensemos bem sobre isto, e vamos à luta!

Finalmente, conclamamos a todos para se engajarem nessa luta; instruamos e eduquemos o nosso PM, para que ele conscientize-se que é melhor estar seguro com assistência médico-hospitalar, ainda que com o sacrifício, do que sacrificar-se sem ter como amparar-se no risco iminente da própria vida e de sua família.

Pensemos, pois, a respeito dessa situação. Talvez hoje estejas com saúde e não precises. E amanhã!? Então, companheiros, preservemos nosso tesouro maior: Nossa Saúde!!!